O QUE É AMIZADE, BOM JESUS DO AMPARO, MG

Atualizado: há 7 horas


Você viria a Bom Jesus do Amparo, ou melhor, você já ouviu falar de Bom Jesus do Amparo?


A vila com aproximadamente 6.000 habitantes passa longe de ser a mais famosas da Estrada Real, como Conceição do Mato Dentro que encanta pelas cachoeiras ou Serro pela sua arte barroca estonteante.


Sair do comum sempre fez parte da minha trajetória no Projeto Giraventura. Um exemplo é que não quis apenas conquistar o Ushuaia, o extremo sul do mundo, então pedalei também ao Cabo Norte, o extremo norte. Também não quis fazer o tradicional e batido Caminho Francês de Santiago de Compostela, saí de Barcelona pelo Caminho Catalão. No ano passado, não quis fazer uma pequena jornada de bike pelo Brasil, quis atravessar 6.475 km do Brasil do Norte ao Sul.


Cheguei hoje pedalando à pequena vila mineira de Bom Jesus do Amparo. De recordação daqui, uma passagem em 2013, devidamente registrada no livro oficial de viajantes da Estrada Real. No entanto, havia mais do que isso. Em minha primeira passagem conheci o Fernando, morador da vila, mineiro orgulhoso e funcionário da secretaria de turismo da prefeitura.

Por essas ironias da vida, eu e Fernando sempre mantivemos contato. Por que? Não sei, mas necessitamos ter respostas para tudo? Fernando acompanha o Projeto Giraventura desde a etapa 1. Certa ocasião, chegou a fazer um relato por escrito em meu blog. Sou sincero em dizer que falamos pouco ou quase nada durante esse período, mas algo sempre fica e o que fica? Geralmente não acreditamos quando a vida nos dá um olé e nos coloca à frente situações inusitadas, as quais somos meros coadjuvantes.

Perdi o contato do Fernando via redes sociais, mas por algum motivo inexplicável, estava lá o seu número de celular guardado nesses cantos obscuros e que ninguém acha nesse universo de informações em nuvens virtuais. Não imaginava que o telefone de Fernando permaneceria depois de tanto tempo. Imaginava menos ainda que no início de 2021 faria a Estrada Real pela segunda vez, dessa vez guiando um inglês que aterrissou da Inglaterra especialmente para conhecer seus encantos.

Assim que entrei em Bom Jesus, fui baixando por suas pequenas ruas e revendo um filme que vivera há anos. Minhas lágrimas desceram revivendo as ladeiras íngremes da vila e ouvindo o lindo sotaque mineiro de mulheres tagarelando nas portas de suas casas. Mexeu comigo e já mencionei que alguns reencontros são surpreendentes quando os comparei à releituras de livros encaixotados no porão. Na verdade, são outros estágios de experiências!

A poucos metros de uma encruzilhada que me levava à pequena igreja matriz, eis que vejo meu velho amigo que me aguardava com um sorriso emblemático. Recepcionou-me, papeamos, tiramos fotos juntos e marcamos de nos rever depois do seu expediente. Ligou-me mais tarde, dizendo que achara meu nome registrado no livro de passagem de viajantes da Estrada Real na data de 1 de janeiro de 2014.

Se me perguntar como vim parar em Bom Jesus, como um bom engenheiro poderia te responder que cheguei a Diamantina e peguei a estrada sentido Ouro Preto. De fato, isso não tem valor. Permiti-me reviver essa experiência de peito aberto e coração na ponta do pé ou melhor, da sapatilha. Essas experiências nos trazem riquezas e ensinamentos e o que mais levo é saber que a distância ou o tempo não são necessariamente um empecilho para uma boa relação, desde que haja admiração e carinho de ambas as partes.

Sou grato por estar aqui, por viver essa emoção, sorte! Sim, sorte, um encontro entre a oportunidade do momento e a coragem de tentar ser diferente.

O Caminho dia Diamantes é precioso, como a construção da minha amizade com Fernando, que nem o tempo, nem a distância e nem as redes sociais conseguiram apagar seus 8 anos de sua existência. O nome disso? Amizade!

61 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo