A BICICLETA COMO PARTE DA SOLUÇÃO CONTRA O AQUECIMENTO GLOBAL - COP 26


A União dos Ciclistas do Brasil, Transporte Ativo, Ciclocidade, entre outras estão entre as organizações representativas do Brasil que assinaram a carta aos governantes na COP-26 com o objetivo de ampliar o uso da bicicleta e zerar as emissões de carbono.


Parabéns às associações que fizeram o papel que o governo brasileiro não fez na COP 26.


Clique aqui para ver a carta na íntegra em inglês.


Abaixo, sua transcrição para o português com todas as organizações mundiais que assinam o documento.



Carta aos governos na COP26:


Os líderes mundiais devem se comprometer com o aumento do uso da bicicleta para reduzir as emissões de carbono e alcançar as metas climáticas globais de forma rápida e eficaz. O mundo precisa de muito mais pessoas pedalando, se quisermos combater as mudanças climáticas. Sem uma ação mais rápida e determinada por parte dos governos em todo o mundo para reduzir as emissões de carbono no transporte, estaremos condenando as gerações presentes e futuras a um mundo que é mais hostil e muito menos habitável. É por isso que nós, as 63 organizações abaixo assinadas, apelamos veementemente a todos os governos e líderes presentes na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) em Glasgow para se comprometerem a aumentar significativamente o número de pessoas que pedalam em seus países.


Os governos podem fazer isso construindo uma infraestrutura para bicicletas de alta qualidade, integrando a bicicleta ao transporte público, melhorando a segurança no trânsito e implementando políticas que incentivem as pessoas e as empresas a substituir as viagens de automóvel por viagens de bicicleta e outros modos, como caminhada e transporte público. Promover e permitir a mobilidade ativa deve ser a pedra angular das estratégias globais, nacionais e locais para atingir as metas de carbono zero. Em todo o mundo, o transporte é responsável por 24% das emissões diretas de CO² provenientes da queima de combustível. Os veículos rodoviários são responsáveis ​​por quase três quartos das emissões de CO² dos transportes, e esses números não estão diminuindo. Além dos níveis insustentáveis ​​de emissões de CO² que estão arruinando o clima da Terra, esses veículos estão poluindo nosso ar em uma escala sem precedentes, matando cerca de sete milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano.


O relatório especial “Aquecimento Global de 1,5° C” do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), identificou a bicicleta como um caminho para garantir um mundo seguro e sustentável para todos, agora e no futuro. O uso da bicicleta produz emissões zero e o ciclismo oferece impactos socioeconômicos positivos de longo alcance, além de redução da poluição.

Pedalar representa uma das maiores esperanças da humanidade por uma mudança em direção a um futuro com carbono zero. Uma nova pesquisa mostra que as emissões de CO² do ciclo de vida caem 14% por viagem adicional de bicicleta e 62% por cada viagem evitada de carro. Fazer a transição do carro para a bicicleta economiza 150g de CO² por quilômetro. As bicicletas e-cargo reduzem as emissões de carbono em 90% em comparação com as vans a diesel. Nas cidades, trocar o carro pela caminhada e andar de bicicleta, mesmo que seja apenas um dia por semana, pode reduzir sua pegada de carbono em cerca de meia tonelada de CO² ao longo de um ano. Construir sinergias com outros modos, como transporte público, pode aumentar criticamente esse potencial.


Nosso mundo está pegando fogo. Devemos alavancar urgentemente as soluções que a bicicleta oferece, ampliando radicalmente seu uso. O que precisamos agora é que os governos se comprometam política e financeiramente com um ciclismo mais seguro e integrado que seja justo para todos que vivem em nossos países, cidades e regiões. Instamos todos os governos e líderes na COP26 a:


Declarar compromissos para aumentar significativamente o uso da bicicleta em cada país. Isso pode ser feito da seguinte forma:

  • Promover a bicicleta em todas as suas formas, incluindo o cicloturismo, o ciclismo esportivo, o compartilhamento de bicicletas, o deslocamento para o trabalho ou a escola e para se exercitar;

  • Reconhecer a bicicleta como uma solução climática, estabelecendo uma ligação clara entre o aumento das viagens de bicicleta, a diminuição das viagens de carro particular e a redução das emissões de CO²;

  • Criação e financiamento de estratégias nacionais para o uso da bicicleta e coleta de dados sobre o ciclismo para saber onde melhorias na infraestrutura e no uso podem ser feitas;

  • Concentrar investimentos na construção de infraestrutura cicloviária segura e de alta qualidade e em incentivos para comunidades historicamente marginalizadas no uso da bicicleta;

  • Fornecer incentivos diretos para que pessoas e empresas mudem de automóveis para bicicletas incentivando mais viagens diárias;

  • Construir sinergias com o transporte público e promover soluções de mobilidade combinada para um ecossistema multimodal capaz de cobrir todas as necessidades do usuário sem depender de transporte individual motorizado;

Comprometer-se coletivamente em alcançar uma meta global de aumento do uso da bicicleta. Ampliar o ciclismo em diversos países não será suficiente para reduzir as emissões globais de CO². Todos os países devem contribuir e esses esforços devem ser monitorados pela ONU.


Não há maneira concebível de os governos reduzirem as emissões de CO² com rapidez suficiente para evitar o pior da crise climática sem a transição modal, implementando o uso da bicicleta. O ciclismo é uma das melhores soluções que já temos para garantir que nosso planeta seja habitável para todas as gerações que virão.


Assinam esta carta, as 63 organizações abaixo:

  • ECF – European Cyclists Federation

  • ITDP Global

  • People for bikes

  • UCI – Union Cyclists International

  • UITP – International Asociation of Public Transport

  • WCA – World Cycling Alliance

  • 2030 – Sekretariatet

  • A Contramano – Asamblea Ciclista de Sevilla

  • ADFC – Allgemeiner Deustcher Fahrrad-Club

  • ALDOSK – Alanya Doga Sporlari Kulubu

  • ANP – Associação Natural Portugal em parceria WWF

  • Aromeiazero

  • Bicycling Emporewment Network Namibia

  • BYCS

  • BYCS / India Foundation

  • Center Za

  • Czech Cyclists Federation

  • Cities for Cycling

  • Clean Cities

  • ConBici

  • Cycling Embassy of Denmark

  • Cycling Scotland

  • Cycling UK

  • Cyclist.ie

  • Cycling Industries Europe

  • Cykellframjandet

  • Cyklokoalicia

  • Danish Cyclists’ Federation

  • Dutch Cycling Embassy

  • Envercevko

  • ECLF – European Cyclists Logistics Federation

  • FIAB – Federazione Italiana Ambiente e Bicicletta

  • Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta