EP. #9 - Laon / Festieux / Corbeny / Berry-au-Bac / Reims


►Acordei cedo, tinha me prometido ontem descansar pois não fazia questão de sair tão cedo, afinal seriam no máximo 60 km hoje. Entretanto, impossível, não consigo ficar na cama depois das 8 hs, então quando deu esse horário, desci para tomar um café. Antes, abro a cortina do quarto e o que vejo? Chuva, aquela chuva irritante, fininha com vento. Imaginei a temperatura lá fora, mas não quis olhar no termômetro do hotel antes de me meter do lado de fora definitivamente. Subi no quarto, juntei as minhas coisas, tomei coragem e fui. Encarei primeiro o termômetro que marcava 10 graus, depois fui até a garagem do hotel, peguei a bike, coloquei-a na porta da recepção e comecei a carregá-la com os alforjes. Haviam uns franceses que estavam na porta do hotel, me viram naquela situação e só disseram bon courage (boa sorte). A dona do hotel, muito simpática veio correndo despedir de mim e parti de Laon. Foi uma estadia fantástica sem sombra de dúvida, Laon é encantadora, é uma cidade moderna com uma atmosfera medieval incrível.

Saí de Laon, embaixo de chuva e frio, a descida para a parte baixa da cidade foi congelante. Não deu tempo do corpo esquentar no pedal e isso só aconteceria uns 30 minutos depois. Essa região Laon, Reims é muito movimentada. Reims (se pronuncia rãs) é a cidade grande do nordeste mais próxima com a ligação a Paris via A4, então há muitos caminhões e carros circulando por aqui, muito diferente dos meus primeiros dias de viagem pela França. O TGV, por exemplo, lhe leva de Reims a Paris em 45 min a partir de € 24.

De volta a estrada, parece que o GPS não se recuperou da nossa última "D.R." e está resolvendo me sacanear e me jogar em estradas mais movimentadas. Analisei o trajeto de hoje no mapa e realmente me senti sacaneado. Então, dei uma mudada na configuração dele para ver se ele me alivia. Pegar estrada hoje com carros, mais chuva e vento foi demais para o meu humor. Um verdadeiro teste de paciência até alcançar a vila de Corbeny, 20 km depois de Laon, onde fiz a minha primeira parada. Nada de muito especial nessa vila, uma igreja, algumas casas e um restaurante anexo a um hotel. Parei para tomar meu chocolat chaud da manhã, € 2. Dei um tempo dentro do restaurante para ver se a chuva passava e de repente entra um peregrino, sim, de carne e osso, e da Bélgica. Começamos a conversar e ele me disse que estava indo fazendo o Caminho de Santiago. Que bacana, contei a ele que fiz o Caminho de Santiago em 2014 a partir de Barcelona.


►Henry, um belga de 64 anos, me deu umas dicas, falou para tomar muito cuidado com o meu equipamento quando deixar a bike estacionada em algum lugar. Ele mesmo era super precavido, levava corrente para amarrar seus alforjes, dois cadeados e nunca deixava o GPS dele no guidão mesmo que entrasse rapidamente num restaurante para comprar uma água. Bem, dicas aceitas, partimos juntos em direção a Reims. Muito grato pela companhia dele pois a viagem ficou menos "boring" uma vez que a chuva fina e o vento na cara não deram trégua um minuto sequer.

Chegamos juntos a Reims e fomos direto para a Catedral. Lá nos despedimos e fui procurar um canto para eu ficar. Nunca precisei tanto de um banho que nem hoje. Henry seguiu seu caminho.

Sorte que não demorei muito e achei um hotel um pouco afastado do movimentado centro de Reims, um hotel bem parecido com albergue da juventude. No meu quarto rola um banho, mas o toilete fica no andar e é coletivo, nunca vi isso. E lá fui pro banho, nossa, que maravilha, não conseguia sair debaixo do chuveiro quente, como é bom.

Revigorado, novamente parti para conhecer a cidade. Reims, Departamento de Marne, é a principal cidade da badalada região de Champagne-Ardenas e possui por volta de 200 mil habitantes. Fundada no séc I A.C., adquiriu grande importância durante o Império Romano. A imponente catedral - Notre-Dame de Reims, (século XII) - teve um papel importante na história da monarquia francesa, tendo sido lugar tradicional de coroação dos reis franceses. A mais famosa e festejada dentre essas foi a coroação do rei Carlos VII, na companhia de Joana d'Arc.



►Abaixo a entrada com a benção dos 12 apóstolos e acima a catedral em pleno processo de restauração


►A sequência abaixo mostra o seu interior e um dos vitrais assinados por Marc Chagall






►Depois de um passeio pelas ruas, comer algo, de volta ao hotel. Amanhã, aquele procedimento, dia de descanso e de trato na bike e esperar para que o tempo melhore. Com sol meus dias são mais felizes!

#frança #viafrancigena

Nestor Freire, ciclista e empreendedor

Engenheiro mecânico formado pela FAAP, ciclista e palestrante, o paulistano Nestor Freire nasce em janeiro de 1967. Desde a infância, a bicicleta sempre esteve presente em sua vida. Continua...

® 2020 Giraventura Consultoria